quarta-feira, 9 de setembro de 2009

- dentro de nós.

- pego estrelas, estico o meu corpo pra alcançar todas e quando termino, estendo minha mão em sua direção e te dou. Te vejo sorrir, te vejo me olhar. Sinto-me bem e peço tua mão pra me sentir seguro. Não que haja medo, mas quero a tua mão e a segurança dela. Contemplo todo o silêncio das palavras e ouço apenas o nosso respirar e não há nada que me dê mais prazer que isso. Levanto e ligo o rádio, coloco pra tocar o cd que gravei com nossas músicas e olho pra ver sua reação. Ganho mais um sorriso e vou em tua direção pra sentar do teu lado na cama. As músicas passam lentamente e todos os nossos momentos vão revivendo e, de vez em quando, pequenas lágrimas aparecem em nossos olhos e minha mão aperta a tua um pouquinho mais forte por tão intenso que é o que sinto. E percebo que você também sente e isso me satisfaz. Já deitados, encosto minha cabeça na tua e passo meu braço sobre teu corpo pra sentir que você é o que se encaixa em mim da melhor forma, como se fôssemos apenas um, como se fôssemos a metade da laranja de que tanto falam. Nunca busquei certezas porque sempre as tive e porque sempre as ganhei de você, todas juntas, dentro duma caixa dentro de nós. O que busco mesmo é você, como sempre fiz. Pra te ter a cada momento. Pra te ter hoje melhor do que ontem e melhor ainda amanhã.

5 comentários:

Lívia Amarante disse...

que bonito... =)

Darlan disse...

Lindo texto! Meticuloso e intenso, daquele que a gente vai apreciando cada vígula. É um texto que a gente não só lê, mas assiste. E ter essa caoacudade de escrita é algo muito admirável, parabéns!

Obrigado pela visita e pelas palavras. Abraços!

Identidades Fragmentadas disse...

Obrigado pela visita!

Anaah disse...

que lindo *-*

Ana disse...

Eu fotografaria uma cena assim e não precisaria de nenhuma edição.
Apenas de você nela.