quarta-feira, 18 de agosto de 2010

- Indefino-me.

But_my_words_just_blow_away_02_by_bexe

- Despeço-me. Digo adeus aos que já fui e não mais quero ser. Deixo de lado os trejeitos, os olhares, os sorrisos, as vozes e suas entonações, os beijos, abraços e os sexos. Esqueço-me de tudo que aprendi pra ser alguém novo, com outro nome, com paixões novas, sem remorso, sem pena, sem nem ao menos saber quem é meu eu. Louco? Talvez, mas se for loucura então me faz bem, me alimenta, me ergue, me faz crescer, me faz ser quem alguém precisa hoje e descarta amanhã. Não sou definitivo, sou indefinido, sou hoje um amor, amanhã sou ódio. Não se entristeça, não faço de propósito, faço por instinto, sem pensar, sem tramar, faço naturalmente e por necessidade. Só não esqueça de uma coisa, quando sair, deixe ali do lado, em cima do criado-mudo a quantia que combinamos.

 

5 comentários:

Marcelo R. Rezende disse...

Delicioso.

Luísa Olimack disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luísa Olimack disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo R. Rezende disse...

Te indiquei lá no meu blog, Evandro.
;*

Darlan disse...

Esse texto me relfetiu sentimentos dúbios. Não sei se impressão minha, mas parecia uma coisa no início, vi que era outra no fim. E não consigo definir que coisa é. haha É bonito saber mudar e respeitar essa necessidade, por outro lado, ser constante traz uma paz sem igual. Não sei, penso que uma hora cada um encontra seu porto.